Sensatez demais

(Para Alexandre Lúcio Fernandes – o ALF.)

Ainda há, meu caro amigo, um fio de voz da razão que ecoa em meu pensamento. Ela pede que eu não desista. Ouço o seu conselho por falta de coragem. Pois o coração implora para que eu abra a janela do sétimo andar e não olhe para baixo. Ele diz que eu tenho asas, naturalmente está mentindo. Ele diz que essa é a melhor forma de acabar com a dor, isso sim é verdade. A possibilidade não é de todo descartada.
Eu que necessito de palavras sou ferida com o silêncio. Ou com o excesso de ofensas. Grandes verbos, sílabas infinitas, adjetivos impiedosos e sem justificativa. Se há um motivo, ele não me é dado. Não sei se há argumentos plausíveis nessas acusações. Existe fundamento para julgar tanto uma pessoa?
As pessoas ao meu redor esperam uma reação que não convém à mim. Na maioria das vezes, evito chorar para melhor pensar e tornar coerentes as minhas decisões. Mas elas querem o contrário. Elas querem que eu seja o produto que inventaram para mim. E se enganam, se enganam facilmente. E me excluem, porque sabem que eu jamais irei caber no sonho delas.
O silêncio ainda é uma fina espada que atravessa o meu peito. Os olhares repreensivos me fazem sentir culpa. Ainda não acredito nesse ponto de fraqueza ao qual cheguei. Eu que costumava ser tão sensata! Talvez tenha sido sensatez demais.
Eu cometo erros porque sou humana. Eu não sou símbolo de perfeição e nem tenho um coração de pedra. Sim, talvez eu esteja dramatizando demais. Mas o drama aqui relatado não é pior que a vida real. Não, eu não quero me contaminar com toda essa superficialidade. Mas cada vez que eu tento ser uma pessoa melhor, alguém sempre encontra um defeito ou um erro do passado, uma atitude já esquecida e, no entanto, desenterrada.
Porém a razão ainda tem um modo de defesa que também me é um poderoso ataque: As letras. O preto no branco desse papel ainda me impede de cair dessa corda-bamba que é a vida e não acordar mais. Sou péssima equilibrista. É muito mais sedutor o convite do coração, mas eu não seguirei sua ordem. Minha teimosia pendendo para a razão deve prevalecer.

“A insensatez que você fez
Coração mais sem cuidado
Fez chorar de dor
O seu amor
Um amor tão delicado
Ah, porque você foi fraco assim
Assim tão desalmado
Ah, meu coração que nunca amou
Não merece ser amado.”

::Insensatez – Tom Jobim e Vinicius de Moraes.
Anúncios

Fale com ela:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s