Conto para Saramago

Eis aqui a continuação de Conto para Nabokov
José Saramago, um ótimo escritor

...

Encaminhara-se até o edifício, deixando-lhe à entrada a sacola que carregava, medida necessária em toda e qualquer Biblioteca Pública que duvida do bom caráter de seus visitantes, um simples cuidado para evitar furtos. Tirara da sacola o livro que pretendia devolver e pegara rapidamente o cartão com o número da estante em que ficariam seus pertences, que o porteiro gentil lho entregaria à saída. Subiu a escada, às pressas, dirigindo-se ao setor de empréstimos. De súbito, parou no patamar, lembrando-se do facto de que estava já a se cansar, não querendo que ele passasse a lhe ver de tal maneira. Respirou fundo, enxugou a testa e adentrou a enorme sala. Não o viu habitualmente em sua mesa de trabalho. Definhou, displicentemente, calculando que já não o vê há semanas. Quem lho atende vem a ser a outra senhora que com ele trabalha. Nem adianta ter essa expressão, rapariga, disse-lho a senhora, Ele não vem mais, não está a trabalhar aqui, Que estás a me dizer, Isto mesmo que ouvistes, pois, o próprio homem, coitado, pedirá demissão, oxalá Deus lho guarde, Quando foi isso, perguntara a jovem, Faz já três semanas, Ele nada me dissera, Talvez pelo facto de que não permitiria que sofrestes, Por que achas que eu sofreria, Porque não se esconde um amor como o seu, todos aqui já suspeitavam, resta agora que confirmes.
Tardara a dar-se conta da discrição que lho fora ausente. Pune-se em pensamento por não ter utilizado da cautela precisa, Se todos os funcionários desta Biblioteca Pública já notaram, ele então nem se fala, divagava a rapariga. Onde ele está a trabalhar agora, Não faço idéia, ele mesmo havia declarado que era de sua preferência não adiantar tal informação, Demitira-se por qual motivo, Isso também ele não expressara, mas eu já me apercebera que, desde que a rapariga esteve a conversar com ele brevemente há algum tempo, ele vinha murchando pouco a pouco, Isso é de se estranhar, Sem dúvida, até porque, sabemos que ele não é desse feitio, Ele sempre me fazia rir, até quando eu não deveria fazê-lo, Acredito, Que faço agora senhora, Vá até a casa dele, dou-lhe agora o endereço, Não posso nem devo, Por que, Ele é casado, tem um filho, Isso vem a ser um impedimento, Sim, com toda a certeza. Ficaram em silêncio por um longo período, a senhora a imaginar como ajudá-la e a rapariga a pensar em alguma solução para novamente vê-lo, Veio devolver este livro, perguntou a senhora, impaciente e incomodada pelo silêncio, a mudar de assunto, Sim, respondera vagamente a rapariga, É bom, já li, gosto de Saramago, Eu também gosto muito. Lembrara que essas eram perguntas e respostas habituais que o homem lho fazia. Lembrara também da senhora do rés-do-chão direito (ou seria esquerdo?), que dera ao Sr. José informações precisas para que ele encontrasse a mulher desconhecida. Olha, pensando bem, quero sim o endereço dele, Vou anotar. A senhora escreveu com pressa em uma folha de caderno, assim como com pressa a rapariga chegara à Biblioteca Pública e com pressa anteriormente havia lido Todos os Nomes, de José Saramago, com sua escrita tão desencadeadora de tempo corrido e contínuo. Aceitou de bom grado o papel já finalizado, levantara-se e agradecera. A rapariga não levará outro livro hoje, pergunta a senhora, Não Pretendo, foi a resposta e deu-se conta de que era a primeira vez que saía dali de mãos vazias. Mas já não importava, agora ela começaria a busca pelo homem conhecido, antes que esperasse demais e cometesse o mesmo erro do personagem do livro.

“Gostar é provavelmente a melhor maneira de ter, ter deve ser a pior maneira de gostar.”
:: José Saramago.

Anúncios

12 respostas em “Conto para Saramago

  1. Furtei do meu bom e velho escritor José Saramago, um dos meus favoritos, devo dizer, a sua narrativa tão complicadamente fascinante para contar uma história um tanto quanto real e para homenageá-lo, de certa forma. Não sei se utilizo tão bem o português-lusitano (que sempre me fascinou), mas ao menos pude tentar.

  2. Corações são um verdadeiro problema.Se fossem usados apenas para bombear o sangue, seriam divinos.Jogue-mo-los fora, abramos uma cavidade no tórax, arranquemo-lo, joguemo-lo no chão e pisemos em cima do mesmo até que não sobre nada além de uma mancha no chão.Que com o tempo desaparecerá.

    Furtos são empréstimos em segredo, e sem devolução.Todo ladrão tem sua beleza(em especial os ladrões de coração).Admiremos a nossa.Por pior que nos saiamos em nossas tentativas de seja lá o que for.

  3. Sem dúvida, você se mostra uma boa discípula do Saramago, tal qual fizera anteriormente com Nabokov.
    Bjooo!!

  4. amei a frase
    Gostar é provavelmente a melhor maneira de ter, ter deve ser a pior maneira de gostar.”
    :: José Saramago.

    *—-*

  5. Talvez seja a primeira vez que rapariga saia de mãos cheias, preenchidas pela certeza da procura, que movimenta o ser humano. Que movimentou José. Que o fez subir em telhados, se esgueirar em ruas frias pela madrugada, sem carregar muita coisa, mas cheio de vida.

  6. Nós duas temos gostos bem parecidos, é Chico e agora tb Saramago! O seu blog é um dos que eu mais gosto de visitar. Nunca me decepcionei com nenhum dos seus textos. Eu só já li “Ensaio Sobre a Cegueira” e gostei muito. O jeito dele escrever me cativou. Vc conseguiu fazer semelhante a ele.

  7. Pedro :
    Apesar do problema dele com pontos finais, gosto do Saramago.

    Ponto final é o problema de todo mundo uhauhauhauhauaha

  8. adorei a forma como escreveste!
    Saramago, soube por aí que é meio xiita, se não gostar da homenagem é um mala…

    fico no aguardo de ‘cenas do próximo capítulo’…

  9. eh sempre bom vir aqui.

    (agora, a busca pelo homem conhecido. não sei mais ser forte assim)

  10. Gostei do texto mas o que a rapariga fez? Foi encontrar o casado? Depois me conta.
    Kiss

  11. Pingback: Conto para Lispector | sobre fatalismos

Fale com ela:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s