Não vele, revele

Como todos vocês sabem, eu comecei este blog para curar um amor platônico e errado. Funcionava como uma terapia do desabafo. E dava certo. Na realidade, acho o blog surpreendentemente estúpido naquela época, mas vocês podem me perdoar, eu só tinha dezesseis anos.
Não percebi exatamente quando foi que este espaço migrou tão absurdamente para a literatura, mas acabei gostando do resultado e continuando por esse meio. Hoje sei que é ela que me motiva a estar cada vez mais presente aqui e, para tanto, quero deixar claro alguns pontos de como funciona este espaço, antes de adentrar o assunto principal.

“Escrito semana a semana, crônica após crônica, pequenos sismógrafo atento aos acontecimentos de fora e as lembranças de dentro.” – José Saramago.

Desde junho deste ano, comecei a me interessar em ser parceira de algumas das mais importantes editoras do país. Tomei essa iniciativa quando percebi que os treinamentos literários lá da livraria em que trabalho são divertidíssimos e enriquecedores. Eu gostava quando as meninas das editoras iam lá para contar a história dos livros que já eram o maior sucesso e daqueles que ainda estavam para chegar. Eu queria ser assim também. Queria falar dos livros. Então descobri a parceria entre editoras e blogs, o que me deixou muito contente, e decidi tentar.
Por um mês, comuniquei-me com diversas editoras propondo parceria, e descobri que a maioria delas abriria inscrições entre julho e agosto. Não perdi tempo e, dentre algumas chances que tive, a Não Editora e a Dublinense foram as primeiras que me aceitaram. Em seguida, veio o dramalhão que tive com a Companhia das Letras. Todo mundo aqui está ciente do fato de que eu sou apaixonada por essa editora que é muito a minha cara (amo os livros do Saramago e do Chico Buarque, publicados por ela). Eu vinha acompanhando os mínimos detalhes dessa seleção pelo twitter da Companhia e também da Diana Passy (que cuida da parte de mídias sociais da editora). Até hoje lembro de quando a Diana publicou as estatísticas: foram 512 inscritos. E eu achava que não tinha a menor chance.
Por sorte, metade dos inscritos jamais havia resenhado um livro da editora, o que deve ter aumentado minhas chances, já que resenhei vários por aqui e falei minimamente de outros tantos. No dia do resultado, fui trabalhar com a maior ansiedade e até o meu gerente estava na torcida pela minha escolha. E, quando cheguei em casa, vi o e-mail da Diana e quis sair correndo daqui para dar um abraço bem apertado nela. Eu fui selecionada.
Duas semanas depois, entretanto, veio uma notícia ruim. Em verdade, fiquei enraivecida pelo fato. Eu também havia me inscrito para ser parceira de uma editora específica para o público jovem. Não citarei o nome da dita cuja, mas basta dizer o seguinte: no dia do resultado, eles publicaram uma lista errada que tinha de sites desatualizados há sete meses até blog sobre macaco entre os escolhidos (pode?). Pois é. Na tal da lista divulgada na página do facebook da editora, entre muitos reclames e poucos elogios, fui visitar os blogs selecionados. Me surpreendi bastante. Os donos eram, em sua maioria, adolescentes de doze anos que não passavam do “título”, “autor”, “editora” e a resenha da própria editora meramente alterada por alguns sinônimos. E eram todos assim. Os melhores blogs que li, no entanto, mal eram atualizados.
Na época, não minto, achei que era dor de cotovelo por não ter sido aceita. Mas agora, analisando o perfil da editora, percebo bem o marketing deles: há interesse no público que lê e vende suas obras, mas não naqueles que se utilizam de uma intelectualidade realmente disposta a resenhar o que achou do livro. Isso é muito triste, pois livros exercitam a mente do leitor e consumidor. Eu, por exemplo, não indico um livro qualquer para os meus clientes. E, se um dia eu ler um livro da Companhia das Letras ou de qualquer outra por aqui que eu pense não ser bacana, vou afirmar categoricamente sobre isso, pois não sou obrigada a gostar da obra.
A parceria entre blogs e editora funciona da seguinte maneira: você pede o livro e eles encaminham. Você não precisa “gostar” do livro, basta fazer uma resenha após a leitura e publicá-la em seu espaço. Não há prazo para a resenha ir ao ar, mas também não é preciso demorar a vida inteira. Você não recebe dinheiro para divulgar a editora. Mas o conhecimento de um bom livro não tem preço. Na verdade, tem sim – e custa caro.
Faço essas parcerias porque tenho tempo para a leitura e por não possuir  dinheiro para ser gasto em livros. Livros são caros. É óbvio: tenho desconto lá na livraria (um desconto muito bom, obrigada), mas, ainda assim, livros são caros. Logo, receber presentes de editoras auxilia o preenchimento da minha biblioteca e me faz compartilhar conhecimento. Além disso, as resenhas daqui são diferenciadas: eu pego uma situação do meu cotidiano e a adapto aos livros. Tanto é que eu só peço livros que realmente têm a ver comigo. E isso vocês devem ter notado.
Na contramão disso tudo (só que nem tanto) existem os blogs de moda. Se você acompanha as notícias mais importantes do dia, deve ter percebido que, na semana passada, rolou o babado de que “bloguetes de muóda” estariam sendo pagas pela Sephora para elogiar os produtos da marca em seus espaços virtuais. Funcionava mais ou menos da seguinte forma: Sephora paga (isso mesmo gente, paga) para bloguetes diversas comentarem o último “batom bapho” da Dior, só que da seguinte maneira: “Amigsss, na minha recente viagem à Paris comprei esse batom vermelho da Dior, puro luxo!”. Daí você lia um lixo sem a menor revisão ortográfica de garotinhas analfabetas funcionais e ainda tinha inveja da vidinha bacana delas, indo de cá para lá barganhando grandes marcas. Pois é, ledo engano.
Daí que eu leio a Blogueira Shame e assumo sem reservas. Aliás, na minha opinião, ela pode até ser inescrupulosa, mas certamente ocupa o cargo de uma espécie de revolucionária, desmascarando esses espaços. Na crônica “Inconsciente Coletivo do Dia”, por exemplo, ela vai à caça desse péssimo exemplo de bloguetes pagas para mentirem ao consumidor.

“Sempre disse que as blogueiras podem e devem ganhar dinheiro com os blogs porque é uma coisa que despende tempo e tempo é dinheiro. Agora, dizer que os produtos foram comprados, que elas amaram e quiseram dar a dica é muita falta de caráter. É mentira, enganação e vai contra o Código de Defesa do Consumidor que, no seu artigo 36, diz: ‘a publicidade deve ser veiculada de tal forma que o consumidor, fácil e imediatamente, a identifique como tal’.”

E o pior de tudo é que isso não ocorre somente nos blogs ditos de moda. Nos literários a coisa não vai muito além. Quantas vezes já não me deparei com a frase “comprei na pré-venda” ou “ainda não foi lançado, chegou exclusivamente para mim” por aí? Isso expressa a falta de caráter do ser humano que insiste em passar uma imagem que não lhe cabe. Maquiagem custa caro. Livros custam caro. Se você foi paga para utilizar um produto e divulgá-lo ou para ler um livro e resenhá-lo, tenha o mínimo de responsabilidade em assumir por quais méritos vieram esses presentes. Caso contrário, seu nome ficará sujo, por exemplo, aqui.
Outra boa sugestão de leitura sobre o assunto também consta lá no espaço da Blogueira Shame. Vale à pena dar uma conferida no “Momento desabafo: algumas coisas sobre blogueiras, marcas e afins”. E, se você ainda não a conhece, cá está uma entrevista que a moça concedeu ao site da revista Veja.
Então, prazer. O meu nome é Nina, eu tenho 20 anos, sou parceira de editoras maravilhosas, trabalho numa livraria e não tenho dinheiro suficiente para manter uma biblioteca minimamente apresentável, mas estou tentando. E ah! Já ia me esquecendo: lanço agora a campanha “NÃO VELE, REVELE” contra a propaganda velada em blogs de todo tipo. O selo está aí embaixo e também aqui o lado e você pode auxiliar a divulgar essa iniciativa começando pelo seu blog. Conto com vocês!

Campanha "Não vele, revele".

Anúncios

26 respostas em “Não vele, revele

  1. Me identifiquei com você por ter parcerias com editoras por gostar de falar sobre o que gosta, no meu caso não só os livros, mas também por não ter condiçõe$ de sustentar o que virou um vício: livros ♥ Eu conheci mais a fundo, blogs literários final do ano passado, se não me engano, a parceria com editoras, começo do ano e fui saber mais sobre isso, como funcionava, desde o básico, como fazer resenhas, até como funcionava a parceria com editoras, etc. Vi o caso das blogueiras de moda sendo investigadas pelo ‘mensalão’ e ao longo do tempo fui vendo críticas em relação a blogs que mal fazem uma resenha propriamente dita e são só elogios às editoras que tem parcerias… Nunca quis isso pro meu blog, por isso mesmo não o deixei somente literário, e sempre me mantive alerta para o quê estava escrevendo sobre o produto que recebi. É bom sim receber esses livros de cortesia, alimentamos nossa paixão pela leitura tendo só que resenhá-los em nosso blogs sem tempo propriamente determinado. Mas existem blogs que são mesmo falsos em seus posts, suas pseudo-resenhas, e também editoras em suas parcerias exigindo temas de posts sobre divulgação dos livros dela e tudo ‘-‘
    Eu consegui a parceria com a editora citada em seu post, acho que é a que pensei… Mas enfim, o marketing dela ultimamente me assustou e muito, ficou parecendo com outra editora que faz uma tempestade pelos seus lançamentos também; mas uma pena ela não escolher o seu blog, o acho maravilhoso, suas resenhas são detalhadas e super bem feitas e vindas de alguém que tem grande experiência na literatura, é o que eu acho.
    Well, você tem parceria com a Companhia das Letras cara, é tipo A editora que me despertou muito interesse nesses últimos tempos *_* Mas quero conhecer os livros dela por conta própria <3

    Beijos!

  2. Nina, concordo muito com o que você falou! Me sinto ‘com cara de palhaça’ com essas propagandas perdidas no texto, tipo em novela, que me dá vergonha alheia a personagem falando que usa Renew, sabe? Não vele, revele!!!
    E que máximo essa parceria com editoras, gente! Super ia querer fazer com a Intrinseca!

  3. Apoio totalmente também! E adorei conhecer o shame.

  4. Guria! Vou ter que te dizer que adorei o post. Pois bem, eu também sou parceira de editora (somente a Novo Conceito, por enquanto, já que outras não aceitam por eu não ter milhares e milhares de seguidores) e como é chata essa relação de blog/marketing. Eu deixo bem claro na minha resenha, na parte em que coloca a editora do livro, coloco entre parênteses: parceira do blog. Isso nos livros que recebo de parceria desta editora. Dos que compro com meu suado dinheirinho, mesmo sendo da NC, não coloco. E obviamente, nos vídeos de Caixa de Correio sempre falo dos livros que recebo de parceria. Sei o quanto é chato alguém dizer que comprou, que usou ou leu e amou, sem ter feito isso. Sério, conteúdo de blog, atualmente, é coisa “séria”, pois muitas pessoas visualizam este conteúdo, utilizam da opinião destes. É como a Mídia toda em si. É “visível” esse boom de opiniões sem ao menos testar…
    Já aderi à campanha ;)

    Beijo grande :*

  5. Eu queria MUITO ter parceria com editoras, mas não tenho tempo. Não adianta encher minha estante de livros excelentes se não posso ler todos, não é mesmo? Mas eu gosto bastante de suas resenhas, Nina, e não vou mentir que toda a vez que as leio, sinto-me inclinada a querer comprar os livros (risos). Principalmente por me identificar com os tipos de livros que você lê. :)
    E, olha, eu não sabia dessas pessoas pagas para resenhar livros a favor das editoras não. É uma vergonha isso para o(a) blogueiro(a)!

    —————————————
    Obrigada pelo seu comentário lá no blog, flor! Eu estou pensando claramente no que faço da minha vida, mas, ó, antes que você pense que eu não gosto da minha vida de estudante de engenharia, gosto sim. Só fico constantemente com medo de não passar nas matérias (porque existem professores realmente demoníacos, rs) e me achando estúpida perto de algumas pessoas, daí da vontade de desistir mesmo. Como já disse: é fraqueza. :( Mas se for para mudar, mudo para uma coisa completamente diferente mesmo. :)

    Beijo! =)

  6. Demasiado negativo! Já tive uma relação à distância e não quero outra…

  7. Olá Nina.
    esse é assunto é bem complexo, mas eu concordo com seu ponto de vista. A companhia das letras é muito boa! Eu adoro os livros dela, tenho uma boa coleção, afinal, trabalho em biblioteca!

    Acho que te acompanhava há muitoooooos anos atrás! eheheh
    voltei a te seguir :*

  8. Nina, acho que você está certíssima em lançar essa campanha. Outra coisa que acontece muito é a editora só topar parceria se a resenha for positiva ou então essas basiconas, só com os dados do livro. Elas não querem opiniões de verdade – mais ou menos o seu caso com a Intrínseca. Num vídeo recente a Tatiana Feltrin disse que está topando receber livros pra ler e avaliar, contanto que receba pra isso e tenha liberdade de expressar sua opinião real, e ainda teve gente que chiou. Dá pra acreditar?
    Apoio totalmente a campanha!
    beijos

  9. Adorei seu post Nina. Tenho um blog de resenhas ainda no começo, mas ja penso nas editoras que quero parceria. Tem que ser as que você se identifica, não adianta ser qualquer uma.
    Beijos

  10. Acho ridiculo esse tipo de blog que só faz propaganda de produtos e nunca critica absulotamente nenhum… dizer que ama tudo e que e’tudo lindo é tão facil, receber por isso então, ridiculo… Acho que se vc quer ser o tipo de pessoa que cria tendencias e ganha dinheiro com isso, tem que trabalhar muito, pra que as empresas te procurem mesmo sabendo q vc pode acabar com o produto delas, por saberem que se vc realmente gostar do produto, ai sim, vai conquistar um publico que é fiel a você e tals… da até preguiça ler blogs que colocam 348382² produtos e em absolutamente todos diz que ama!

    eu adoraria falar das makes que tenho e uso, só não faço muito isso, por causa desses blogs, peguei birra! hehehe mas acho que é meio modismo… tipo, antes eram os esmaltes, agora, makeup e acho que até livros, a quantidade de blogs fazendo resnehas cresceu absurdamente e realmente muitos deles vc vê que não tem absolutamente nada a não ser um resumo do livro… o que chega a ser meio chato…

    não li nenhuma resenha sua, mas pela sua indignação com blogs pagos pra fazer propaganda, acredito que realmente suas resenhas sejam mais do que a maioria que vou ler por ai! hehehe

    obrigada pelo coment no meu blog!

    vou acompanhar o seu pra ver se to certa sobre suas resenhas e pra aumentar minha biblioteca com sugestões interessantes! hehehe

    bjss

  11. Nina, eu apoio a causa! Até porque fui vítima de uma propaganda velada na blogosfera… de máscara capilar. Juro, era uma marca xis mas a menina dizia que fazia milagres era uma coisa com extrato de mandioca… e olha nunca procurei tanto por um produto, pra acha e pegar não lá muito barato e ser uma bosta.

    é uma vergonha alheia isso, mas uma super falta de respeito. nunca mais pisei naquele blog e para falar a verdade até desencantei um pouco de todos eles, acho que achando que talvez todos façam um pouco disso por aí.

    absurdo!

    ps: e eu adoro suas resenhas!

  12. curto muito seu blog, moça. me identifiquei bastante nos primeiros, sobre fazer um blog desabafoso e depois do nada torna-se literário, haha.
    gostaria de saber como conseguir esse tipo de parceria, gostaria de investir na minha literatura. se tu puder me ajudar, de alguma forma…
    eu tenho participado de alguns concursos de ‘jovens autores’, ‘autores promissores’ etc, mas não recebi nenhum feedback ainda. =(

  13. Acho super legal e válido esse tipo de parceria. Usada corretamente (e não como as blogueiras de moda lixo) só se tem a ganhar.
    E deve ser bem legal conseguir parcerias com editoras tão legais, parabéns!
    Quanto ao fato de livros serem caros, vc já pensou em se inscrever naqueles sites de troca de livros e bla bla bla? Não sei muito bem como funcionam, mas sei que existem ;)
    Abraço!

  14. É muito bonito mesmo. O edifício que está na foto é a estação de comboios da cidade de Aveiro. Mas o meu Verão nem foi bom assim. O dia de ontem é que valeu muito por todo o resto. Abraços :)

  15. não, eu não amei para esquecer. eu apaixonei-me por ele e ele fez-me esquecer um amor de quatro anos.

  16. Já pensei em fazer parcerias com o blog, mas sempre desisto pelo mesmo motivo: não quero que meu blog se torne apenas literário ou que as pessoas julguem ele antes mesmo de lê-lo apenas pelas parcerias ou por elogios – mesmo que merecidos – a livros. E falo isso porque muitas vezes eu fico espiada com blogs que possuem muitas parcerias e elogiam todos os livros. Caramba, não se gosta de tudo, né? Desconfio de gente assim.
    Mas enfim, minhas críticas e desconfianças à parte, gosto da forma como você apresenta os livros aqui no blog. É direta, honesta e com reflexões sobre sua própria vida. Isso é ótimo.
    E apoio com certeza essa ideia.
    Beijo!

  17. Portugal é sem duvida um lindo lugar para visitar. Tem uma cultura muito boa em todos os aspectos, iria gostar decerteza. E eu adoraria ir ao Brasil, é de que zona?

  18. Eu super já tentei algumas parcerias, mas meu blog não é exclusivamente sobre livros então, né… Nunca consegui, rs.
    No entanto, concordo com você sobre toda e qualquer propaganda paga dever ser apresentada como tal. Eu sinceramente não vejo problema em dizer “ganhei dinheiro para resenhar X produto”, muito pelo contrário. Sobre as resenhas de livros, concordo também. Já fiquei um bom tempo sem ler blogs literários porque sempre achava a mesma coisa em todos. Tá, tudo bem. É claro que é possível que muita gente goste de um livro, mas escreverem as resenhas praticamente iguais não rola, rs.

    Meu único contra, por assim dizer, é com a Shame rs. Ela tem sim alguns bons textos e eu gostaria mais dela se ela levasse o próprio lema do seu blog a sério. Denunciar propagandas enganosas, propagandas que são camufladas e coisas assim, ok. Acharia até digno. Mas o fato de ela zoar a imagem/aparência das pessoas tira a credibilidade que ela poderia ter comigo, afinal de contas, se vestir mal não é crime e ela não é a dona da verdade pra dizer quem tá ok e quem não está.

  19. Antes de qualquer coisa quero afirmar que teu blog nunca me pareceu estúpido Daniele. Não pense assim. Sabes muito bem que muitos poderam aprender com teus desabafos, tuas confissões, teu sentimentos. Há muito valor nas palavras proferidas pelo peito, pelo receptáculo de amor que guardamos no coração. Tinha dezesseis anos? E daí? Tu sempre fostes alguém à frente das meninas da tua idade, muito embora mesclasse muitos trejeitos e sentimentos de uma menina. Aprendi e ainda aprendo com esta tua forma bonita de ser duplo encanto, mulher e menina, menina e mulher. E se amadureceste é porque chegaste de algum lugar. Se cresceste foi porque um dia já fostes menor. Eu mesmo sou uma das pessoas que mais aprendi contigo, que soube bem absorver o que tu sentia, em que podia me identificar, ajudar, me ajudar. E agradeço até hoje. Saiba disso. A amizade que nasceu não foi em vão Daniele. Não foi…

    Em relação à tua parceria com editoras, fico muito feliz. Tenho imensa certeza que és a pessoa adequada para tais revisões, tais comentários, exatamente por não se prender às convenções e saber bem expressar a opinião, independente de qualquer coisa ou pressão. E é preciso bem isso,m esta imparcialidade tão necessária a quem faz análises, ainda que mesclada um pouco com o gosto pessoa. É isto que dá o ingrediente nas revisões literárias. E admiro este teu prazer, este teu talento, mesmo que não venha recursos e, que, apenas o fato de ter o livro já te deixe satisfeita. Parabéns! E confesso que sempre acredite que seria o caminho natural que seguirias. Sempre foste fácil cantar a pedra, de tão talentosa, de tão inteligente e culta que és. Tu tens o dom, a habilidade para ser tal. Confesso que por ler poucos livros me afastei um pouco, porque nunca serei capaz de ler alguns dos quais tu cita, nem terei inteligência suficiente para opinar por aqui.
    Mas saiba que apoio, admiro e fico demasiadamente feliz por te ver feliz, por saber que estás num momento tão bom.
    E se parares para pensar um pouco, lembrarás que no meus primeiros comentários, sempre acreditei em ti, sempre fui muito crente na tua felicidade. E satisfação maior não há, pra mim, ter a ciência de que valeu a pena acreditar.

    Quanto aos blogs pagos de moda, é realmente lamentável. Acho que é preciso mais ética neste mundo, senão a coisa se banaliza de vez. É uma pena que tenham se desviado tanto da função do blog, assim…

    Mas sei que nunca cairás numa estapafúrdia dessa. E apoio totalmente esta campanha: “não vele, revele”.

    Beijo florido de um amigo pra sempre!
    =)

    ps: senti falta dos meus grandes comentários por aqui… rs

  20. Eu fico chateada de ver que tem gente que perde a própria essência só para poder ganhar um dinheiro. Eu sou a favor da originalidade e criatividade e apoio total a sua campanha! Bom saber q vou passar por aqui e ver resenhas verdadeiras e opiniões de alguém de verdade! ;D Kiss

  21. Olá, Nina, vi o selo da campanha em dois blogs, mas não cheguei a clicar para entender do que se tratava, hoje descobri e achei uma ótima iniciativa, vou mostrar para algumas colegas que também possuem blogs – se elas já não conhecerem a campanha. ;)

    Beigos!

  22. Excelente post, queridona… tenho um blog de emagrecimento e acabei de aderir sua campanha. No caso da blogosfera light, as propagandas são de sheikes, termogenicos e suplementos emagrecedores, um horror!

Fale com ela:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s