Eclipse lunar

Agora criei esse hábito tão repudiado por mim outrora: ler a resenha antes de pegar no livro. Talvez seja uma característica de quem é livreiro, minha gente. Precisamos ter um leque de opções para a clientela. Sim: indico obras que não leio. Mas faço questão de dizer: “olha, não li. Mas o livro é assim-assado, acho que tem a ver com o que você procura”.
Eu também sou do time que ignora trilogias e séries literárias. Principalmente as incompletas. Tipo o Martin, de As Crônicas de Gelo e Fogo. Apesar de ter me apaixonado pelo box com as edições de bolso, só terei coragem de encarar essa vibe quando: a) estiver de licença premium (tem isso para livreiros?) ou for demitida; b) quando a série estiver completa, quando o Martin botar a boca no trombone/microfone e disser: “foi, acabou, não teremos livros extras, a história termina aqui”.
Digo isso porque, por exemplo, a série Mortal, de Nora Roberts (essa linda), tem mais de 60 volumes lá fora (aqui no Brasil, apenas vinte foram publicados, se não me engano). E eu não quero passar o resto da minha existência acompanhando a mesma série de livros, por mais sensacional e/ou essencial que o autor seja.
Sendo assim, o que me levou a acompanhar a série 1Q84, de Murakami? Bom, vários aspectos. Primeiro: o cara ia ganhar o Nobel, 1Q84 era uma boa promessa (diante do boom erótico do ano passado, perpetuado este ano). Segundo: a trilogia já está completa lá fora. E, aqui no Brasil, o intervalo de lançamento das obras não demorou muito – se você contar com o fato de que a tradução vem direto do japonês, logo, imaginem a dificuldade do processo – e ainda é necessário cumprir prazos.
Nas resenhas que li, muitos afirmam que houve previsibilidade no enredo, repetições e afins. Na realidade, 1Q84 – Livro 2 (Haruki Murakami, Alfaguara, 373 páginas) é, acima de tudo, um best-seller. Entretanto, é um best-seller que apresenta profundidade e riqueza, o tipo de “mais vendido” que não passa batido e deixa frutos para as próximas gerações.
Apesar dos desacordos, me atrevo a dizer que considero o segundo livro melhor do que o primeiro. Na primeira obra, as dimensões de tempo e espaço me deixaram confusas, porém curiosa, porque é bastante diferente do que costumo ler. O segundo, no entanto, parece melhor, apesar de me deixar aflita por um motivo: é “previsível” porque traz respostas. Sendo assim, o que restará ao terceiro livro?
Aomame e Tengo, os personagens principais dessa história, estão cada vez mais próximos – e podem sentir isso, apesar de ainda desconhecerem. A dinâmica dos capítulos narrados em terceira pessoa e expressados em “tempo real” continua, só que mais intensamente (como “tempo real” digo o seguinte: enquanto Aomame bebe chá na casa de sua patroa, Tengo caminha até a cozinha de seu apartamento. Essa proximidade de ações é notável e intimista). Aomame recebeu uma missão. E terá de cumpri-la, como se fosse qualquer outra, embora ela saiba que, após terminar o seu trabalho, terá de fugir e alterar sua identidade. Tengo, por outro lado, ainda desconhece o paradeiro da autora de Crisálida de Ar (enquanto o leitor, em determinado ponto do livro, saberá – finalmente – através de Aomame, do que se trata o best-seller fictício presente em 1Q84), mas recebe as críticas positivas e negativas com relação ao livro para tentar aperfeiçoar sua própria escrita. Tengo lapida cada vez mais sua própria obra, enquanto estranhos fatos acontecem para alterar sua rotina: ele passa a ser perseguido por um ser humano hostil que deseja lhe presentear com uma espécie de bolsa, na qual ele receberá um bom dinheiro para escrever seus livros; e uma pessoa próxima a Tengo desaparece, enquanto outra ressurge, trazendo respostas-chave para o desenvolvimento da trama.
Sinto que não posso contar muita coisa. Mas, basicamente, para quem acompanha essa trilogia, muitos segredos serão revelados. O Povo Pequenino está cada vez mais próximo de ser desmascarado, assim como a relação de Tengo com o seu pai. Aomame recorda a infância difícil, algo que lhe dará impulso para ações mais perigosas – e promete abrir mão do que lhe é mais caro em prol de Tengo, que ainda nem sabe se ela de fato existe.
1Q84 – Livro 2, se aproxima muito mais de um romance onde duas pessoas tentam se encontrar, apesar de, aparentemente, habitarem diferentes mundos. Algo que, de certa forma, desencadeará num eclipse lunar. Se você ainda tem dúvidas sobre o quanto vale à pena a série, corra agora para a livraria mais próxima e descubra por si mesmo.
Em tempo: um cliente (que tornou-se amigo, a quem eu havia sugerido os livros do Murakami), passou dia desses lá na livraria procurando o segundo volume e me emprestou o disco Machine, da dupla/banda (jamais saberei) Ormond, sob o aviso: “isso aqui é a trilha sonora dessa trilogia”. E é mesmo. Sabe quando uma música combina com um livro? Ormonde (que você pode ouvir aqui) possui – e muito bem – essa sintonia. E outra: também vale à pena conferir a música de Janáček citada no início do primeiro volume. Nos comentários desse vídeo, veja só a comoção de quem leu Murakami – e o que você está perdendo.

Anúncios

11 respostas em “Eclipse lunar

  1. Pode me bater, mas eu não SINTO o que todos falam sobre Murakami. Já comecei a lê-lo e acabei cansando, como se não estivesse sendo desafiada – entende? Ainda pretendo dar outra chance a ele, pois acredito que ele não seja o tipo típico de best-seller. Algo me diz que ele tem sim “algo a mais”, só que eu ainda não consegui achar. Fico com a impressão de que tem muito água com açúcar com doses extras de açúcar.
    Você teria alguma dica pra me dar?

  2. SUa crítica profunda me deu vontade de ler, não sem antes dar uma pesquisada pois não ouvir falar desta série. Ao contrário de você eu gosto sim de séries, dessas complexas e épicas estio R.R Martin e Bernard Cornwell. Aina estou aocmpanhado As Crônicas de Gelo e Fogo e vou pesquisar sobre a citada 1Q84;

    Bj

  3. Esses livros do Murakami entraram para minha lista infinita de “livros que quero ler” graças a suas resenhas.

    Gostei muito do novo layout ;)

  4. Nina, não fiquei me tentando que eu comprei o box de Crônicas de Gelo e Fogo e tenho vários amigos me cobrando a leitura! Murakami parece diferente do que eu ando lendo, e eu acho muito legal esses escritores best-sellers mas com conteúdo real (sou fã de alguns), vou colocar na lista!

  5. uaau, já tinha passado por esse livro na saraiva e me chamou a atenção pelo nome parecer com 1984, de George Orwell (livro que pretendo ler num futuro próximo) e, agora, lendo sua resenha fiquei com vontade de ler 1Q84 também! Não sabia que o autor era japonês – o que torna tudo mais interessante, uma vez que sai desse ciclo de autores da língua inglesa.
    bisous,
    ceci

  6. Nossa, você trabalha em uma livraria? que delícia, não?
    E UAU, não consigo de jeito nenhum ler a resenha do livro antes de ler pois tenho medo que a pessoa que escreveu conte alguem trecho importante haha.
    Quanto esse box do gelo e fogo, ele é uma graça mas dizem que a letras é muito pequena e as páginas transparentes…. O que acha?
    Beijos

    Helena
    https://hassdc.wordpress.com

  7. Na realidade, a letra do livro de bolso é a mesma do livro normal. A página precisa ser fina, mas não é muito transparente, não. Se assim fosse, eu jamais me interessaria pela coleção, porque livros de bolso não são muito a minha praia.
    Obrigada pela visita, abraços!

  8. muito válido o lance de ler a resenha antes do livro. na minha opinião é algo que instiga. e o teu blog, sweetheart, continua maravilhoso. beijo. ;)

  9. Sempre que veio aqui (o que não faço com a frequência que gostaria, confesso), me deparo com algo sobre Murakami e estou começando a interpretar isso como um final de que devo ler. Estou namorando a versão do kindle dele, mas até para isso estou sem dinheiro. Fora que os estudos não me permitem, neste momento, parar para ler uma série possivelmente instigante e viciante.

    Também não sou o tipo que lê séries. Tinha o pique para isso na adolescência, com Harry Potter e afins. Depois, nunca mais consegui terminar… :( Vontade eu tenho, mas o investimento de tempo e dinheiro me parece excessivo. Prefiro gastar o mesmo em uma pluralidade de obras, estilos, nacionalidades, autores…

    Gosto de ler resenhas como as suas, que falam de uma maneira mais genérica o que o leitor pode esperar, suas opiniões a respeito, mas sem estragar a leitura dando informações em excesso. Como no exemplo: “uma pessoa próxima a Tengo desaparece, enquanto outra ressurge, trazendo respostas-chave para o desenvolvimento da trama”. Você falou bem resumida e ocultamente sobre o que podemos esperar, a ponto de me deixar curiosa, mas provavelmente não a ponto de a resenha me tirar a surpresa ao ler a obra (um dia lerei!).

    P.s. sobre o comentário antigão lá no meu blog, eu concordo que a Jennifer Lawrence ainda não tem bagagem o suficiente para receber um prêmio como o Oscar. Mas eu já não acho ganhar o Oscar seja uma questão mais de merecimento, esse conceito parece ter se perdido na Academia.

  10. Ai, tão pouco tempo e os escritores ainda ficam viciando a gente em trilogias/séries…rs

  11. Oi Nina! Eu sempre digo que não vou começar uma série de livros que não tenha terminado ainda (assim como assistir séries que não tenham pelo menos a temporada completa), mas cá estou eu, esperando ansiosamente o 6º livro do George R.R. Martin e rezando para que ele não morra antes de terminar de escrever os livros… Eu li 1Q84 assim que saiu a tradução em inglês, fiquei levando um tijolo que é essa versão de volume único dentro da bolsa para cima e para baixo, acho que podia muito bem ter deixado alguém desacordado com uma sacudidela da minha bolsa! Gostei *muito* da história e sim, assim que vi a música do Janacek, fui correndo pro Youtube e todo mundo lá comentando sobre o livro! E agora que vi o novo layout, ficou lindo o barquinho dentro da garrafa, mas como a tela do meu note é pequeninha, fica cortando um pouco as imagens que ficam do lado esquerdo (mas nada que diminuir o zoom da página não resolva!). :D

Fale com ela:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s